Os arranjos familiares importam no momento de decidir em qual rede de ensino matricular os filhos?

Palavras-chave: arranjos familiares, rede de ensino, logit, ordem de nascimento

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar se os arranjos familiares (monoparentais ou biparentais) afetam na escolha parental de qual rede de ensino (pública ou privada) matricular os filhos. Utilizando os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2015, os resultados apontaram para dissemelhanças entre os arranjos familiares, as quais podem ser explicadas pelas diferenças nas preferências dos indivíduos, assim como na renda familiar. Verifica-se que existe maior probabilidade de as famílias investirem privadamente no ensino infantil. A evidência pode ser decorrente da oferta reduzida de creches públicas. Segundo a ordem de nascimento, para os arranjos familiares monoparental feminino e casal com filhos, as famílias preferem investir no filho mais velho, em detrimento dos demais filhos. Além disso, verificou-se que o filho do sexo masculino tem menores chances de estudar em uma rede privada caso esteja em um arranjo monoparental feminino. Esse resultado pode mostrar uma preferência da mãe em incentivar o estudo da filha em uma tentativa de empoderá-la.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia Sbroglio Rizzotto, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Mestranda no Programa de Pós Graduação em Economia do Desenvolvimento na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS
Marco Tulio Aniceto França, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutor em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Federal do Paraná. Atualmente é professor adjunto no Programa de Pós Graduação em Economia do Desenvolvimento na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. PUCRS.
Gustavo Saraiva Frio, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Mestre em Economia Aplicada pelo Programa de Pós Graduação em Organizações e Mercados (PPGOM) pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e doutorando no raPrograma de Pós Graduação em Economia do Desenvolvimento na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS

Referências

ALBERNAZ, A.; FERREIRA, F.; FRANCO, C. Qualidade e equidade no ensino fundamental brasileiro. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 32, n. 3, 2002.

ALVES, F. Escolhas familiares, estratificação educacional e desempenho escolar: quais as relações? Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 53, n. 2, p. 447-468, 2010.

ALVES, J. E. D.; CAVENAGHI, S. Transições urbanas e da fecundidade e mudanças dos arranjos familiares no Brasil. Cadernos de Estudos Sociais, Recife, v. 27, n. 2, p. 91-114, 2012.

ASTONE, N. M.; MCLANAHAN, S. S. Family structure, parental practices and high school completion. American Sociological Association, Washington, v. 56, n. 3, p.309-320, jun. 1991.

BARROS, R. P.; FOX, L.; MENDONCA, R. S. Female-headed households, poverty and the welfare of children in urban. Economic Development and Cultural Change, Chicago, v. 45, n. 2, p. 231-257, 1997.

BARROS, L. F. W.; ALVES, J. E. D.; CAVENAGHI, S. Novos arranjos domiciliares: condições socioeconômicas dos casais de dupla renda e sem filhos (Dinc). In: XVI ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS. Anais...Caxambu: Abep, 2008.

BECKER, G.; TOMES, N. An equilibrium theory of the distribution of income and intergenerational mobility. Journal of Political Economy, Chicago, v. 87, n. 6, p. 1153-89, 1979.

BECKER, G. S. A treatise on the family. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1993.

BEHRMAN, J. R.; POLLAK, R. A.; TAUBMAN, P. Do parents favor boys? International Economic Review, Nova Jersey, v. 27, n. 1, p. 33-54, 1986.

BERQUÓ, E.; GARCIA, S.; OLIVEIRA, M. C.; LIVI-BACCI, M. Segunda transição demográfica no Brasil? Significados e enigmas. Demografia em Debate, v. 4, p. 135-156, 2012.

BOURDIEU, P. A reprodução. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

BREEN, R.; JONSSON, J.O. Inequality of opportunity in comparative perspective: recent research on educational attainment and social mobility. Annual Review of Sociology, v.31,

p. 223-243, 2005.

CAMERON, A. C.; TRIVEDI, P. K. Microeconometrics using stata. College Station, TX: Stata Press, 2009.

CARVALHO, S. C. de; KASSOUF, A. L. As despesas familiares com educação no Brasil e a composição de gênero do grupo de irmãos. Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v. 13, n. 3, p. 353-375, 2009.

CASTRO, J. A. de; VAZ, F. M. Gastos das famílias com educação. In: SILVEIRA, F. G.; SERVO, L. M.; MENEZES, T.; PIOLA, S. F. (Ed.). Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea, 2007. p. 77-104.

COLEMAN, J. S. Social capital in the creation of human capital. American Journal of Sociology, Chicago, v. 84, Supplement, p. S95-S120, 1988.

COLEMAN, J.; HOFFER, T. Public and private high schools. New York: Basic Books, 1987. COLEMAN, J.; HOFFER, T.; KILGORE, S. High school achievement: public, catholic, and private schools compared. New York: Basic Books, 1982.

CURI, A. Z.; MENEZES-FILHO, N. A. Determinantes dos gastos com educação no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 40, n. 1, p. 1-39, 2010.

EJRNES, M.; PORTNER, C. C. Birth order and the intrahousehold allocation of time and education. Review of Economics and Statistics, Cambridge, MA, v. 86, n. 4, p. 1008-1019, 2004.

EMERSON, P. M.; SOUZA, A. P. Birth order, child labor, and school attendance in Brazil. World Development, Amsterdam, v. 36, n. 9, p. 1647-1664, 2008.

EMERSON, P. M.; PORTELA SOUZA, A. Bargaining over sons and daughters: child labor, school attendance and intra-household gender bias in Brazil. Nashiville, TN: Vanderbilt University, 2002.

FERRÃO, M. E.; BELTRÃO, K. I.; FERNANDES, C.; SANTOS, D.; SUAREZ, M.; ANDRADE, A. C. O SAEB – Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica: objetivos, características e contribuições na escola eficaz. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 18, n. 1-2, p. 111-130, 2001.

FERREIRA, F. H.G. Education for the masses? The interaction between wealth, educational and political inequalities. Economics of Transition, Nova Jersey, v. 9, n. 2, p. 533-552, 2001.

FRANÇA, M. T. A.; GONÇALVES, F. O. de. Sistemas públicos de ensino fundamental e a perpetuação da desigualdade: democracia e qualidade educacional como promotoras de justiça social. Revista Brasileira de Estudos de População, v.29, n. 2, p. 303-322, 2012.

FREITAS, N. C. Investimentos familiares em educação dos filhos no Brasil: o arranjo familiar importa? 2015. 109 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Econômico, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

FONTES, M. B. Situação econômica de arranjos domiciliares monoparentais e biparentais no Brasil: uma análise orçamentária. 2014. 127 f. Tese (Doutorado) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

FONTES, M. B.; WAJNMAM, S.; GUEDES, G. R. Arranjos mono(bi)parentais e sua estrutura orçamentária. Oikos: Revista Brasileira de Economia Doméstica, v. 27, n. 1, p. 5-30, 2016.

GARCIA, L. S.; RODARTE, M. M. S.; COSTA, P. L. Emancipação feminina e novos arranjos familiares nas regiões metropolitanas brasileiras entre as décadas de 1990 e 2000. IN: XIV ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS. Anais... Caxambu: Abep, 2004.

GINTHER, D. K.; POLLAK, R. A. Family structure and children’s educational outcomes: blended families, stylized facts, and descriptive regressions. Demography, New York, v. 41, n. 4, p. 671-696, 2004.

GIUBERTI, A. C.; MENEZES-FILHO, N. Discriminação de rendimentos por gênero: uma comparação entre o Brasil e os Estados Unidos. Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v, 9, n. 3, p. 369-384, 2005.

GLOMM, G. Parental choice of human capital investment. Journal of Development Economics, Amsterdam, v. 53, n. 1, p. 99-114, 1997.

GOLDRING, E. B.; PHILLIPS, K. J. R. Parent preferences and parent choices: the public–private decision about school choice. In: ANNUAL MEETING OF THE AMERICAN EDUCATIONAL RESEARCH ASSOCIATION. Proceedings… California, abr. 2006.

GUSTAFSSON, S. S.; STAFFORD, F. P. Childcare, human capital and economic efficiency. In: PERSSON, I.; JONUNG, C. (Ed.). Economics of the family and family policies. London: Routledge, 1997. p. 107-122.

HALPERN, D. F. Public policy, work, and families: the report of the APA presidential initiative on work and families. Washington: American Psychological Association, 2004.

HECKMAN, J. J. Policies to foster human capital. Research in Economics, v. 54, n. 1, p. 3-56, 2000.

HODDINOTT, J.; HADDAD, L; ALDERMAN, H. Testing competing models of intrahousehold allocation. In: HADDAD, L.;

HODDINOTT, J.; ALDERMAN, H. (Ed.). Intrahousehold resource allocation in developing countries: models, methods, and policy. London: The Johns Hopkins University Press, 1997. p. 129-141.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: síntese de indicadores-2015. Rio

de Janeiro: IBGE, 2016.

_________. Tendências demográficas: uma análise da população com base nos resultados dos Censos Demográficos 1940 e 2000. Rio de Janeiro: IBGE, 2007.

JIMENEZ, E.; LOCKHEED, M.; PAQUEO, V. The relative efficiency of private and public schools in developing countries. The World Bank Research Observer, Washington, DC, v. n. 2, p. 205-2018, 1991.

LANKFORD, R. H.; WYCKOFF, J. H. Primary and secondary school choice among public and religious alternatives. Economics of Education Review, Amsterdam, v. 11, n. 4, p. 317-337, 1992.

LAVINAS, L.; NICOLL, M. Atividade e vulnerabilidade: quais os arranjos familiares em risco? Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 49, n. 1, p. 67-97, 2006.

LONG, J.; TOMA, E. The determinants of private school attendance, 1970-1980. The Review of Economic and Statistics, Cambridge, MA, v. 70, n. 2, p. 351-357, 1988.

LOUREIRO, P. R. A.; SACHSIDA, A.; MOREIRA, T. B. S. Is there discrimination among Brazilian Lawyers? A random-effects approach. Análise Econômica, v. 29, n. 56, p. 293-307, 2011.

LLOYD, C. B.; BLANC, A. N. N. K. Children’s schooling in Sub-Saharan Africa: the role of fathers, mothers, and others. Population and Development Review, Nova Jersey, v. 22, n. 2, p. 265-298, 1996.

MACEDO, M. dos S. Mulheres chefes de família e a perspectiva de gênero: trajetória de um tema e a crítica sobre a feminização da pobreza. Caderno CRH, Salvador, v. 21, n. 53, p. 389-404, 2008.

MARTELETO, L. J. O papel do tamanho da família na escolaridade dos jovens. Revista Brasileira de Estudos de População, Belo Horizonte, v. 19, n. 2, p. 159-177, 2002.

MARTINEZ, E. Z. et al. Gravidez na adolescência e características socioeconômicas dos municípios do Estado de São Paulo, Brasil: análise espacial. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 5, p. 855-867, 2011.

MEDEIROS, M.; OSORIO, R. G. Mudanças nas famílias brasileiras: a composição dos arranjos domiciliares no Brasil entre 1978 e 1998. Brasília: Ipea, 2002. (Texto para Discussão, n. 886).

MENEZES-FILHO, N.; PAZELLO, E. Does money in schools matter? Evaluating the effects of a funding reform on wages and test scores in Brazil. São Paulo: Universidade de São Paulo (USP), 2004.

MINAMIGUCHI, M. M. Monoparentalidade feminina no Brasil: dinâmica das trajetórias familiares. 2017. 152 f. Tese (Doutorado) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

MONTALI, L.; LIMA, M. T. A divisão sexual do trabalho e a desigualdade no mercado de trabalho segundo gênero: implicações para a superação da pobreza. In: VII CONGRESSO LATINOAMERICANO DE ESTUDOS DO TRABALHO. Anais... São Paulo: Alast, 2013.

MORDUCH, J. Sibling rivalry in Africa. The American Economic Review, v. 90, n. 2, p. 405-409, 2000.

NOELL, J. Public and catholic schools: a reanalysis of “public and private schools”. Sociology of Education, Washington, DC, v. 55, n. 2, p. 123-132, 1982.

OLIVEIRA, Z. L. C. de; MIRANDA-RIBEIRO, P.; LONGO, L. Uma exploração inicial das informações sobre família no Censo Demográfico de 2010. IN: XVIII ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS. Anais… Águas de Lindóia: Abep, 2012.

PALERMO, G. A.; SILVA, D. B. D. N.; NOVELLO, M. S. F. Fatores associados ao desempenho escolar: uma análise da proficiência em matemática dos alunos do 5o ano do ensino fundamental da rede municipal do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 31, n. 2, p. 367-394, jul./dez. 2014.

PHIPPS, S. A.; BURTON, P. S. What’s mine is yours? The influence of male and female incomes on patterns of household expenditure. Economica, v. 65, n. 260, p. 599-613, 1998.

PINHEIRO, L.; GALIZA, M.; FONTOURA, N. Novos arranjos familiares, velhas convenções sociais de gênero: a licença-parental como política pública para lidar com essas tensões. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 17, n. 3, p. 851-859, 2009.

PORTELLA, A. L.; BUSSMANN, T. B.; OLIVEIRA, A. M. H. de. A relação de fatores individuais, familiares e escolares com a distorção idade-série no ensino público brasileiro. Nova Economia, v. 27, n. 3, p. 477-509, 2018.

SAMPAIO, B.; GUIMARÃES, J. Diferenças de eficiência entre ensino público e privado no Brasil. Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v. 13, n. 1, p. 45-68, 2009.

SORJ, B. Trabalho e responsabilidades familiares: um estudo sobre o Brasil. Relatório final. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

SOUSA, A. P. D. Estudo comparativo das famílias monoparentais masculinas e monoparentais femininas: a influência do genitor no desenvolvimento familiar. 2008. 171 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de História, Direito e Serviço Social, Universidade Estadual Paulista, Franca, 2008.

TAUBMAN, P. Role of parental income in educational attainment. The American Economic Review, Pittsburgh, PA, v. 79, n. 2, p. 57-61, 1989.

THOMAS, D. Like father, like son; like mother, like daughter: parental resources and child height. Journal of Human Resources, Madison, WI, v. 29, n. 4, p. 950-988, 1994.

WOOLDRIDGE, J. M. Introdução à econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Thomson Learning, 2006.

Publicado
2018-06-11
Como Citar
Rizzotto, J. S., França, M. T. A., & Frio, G. S. (2018). Os arranjos familiares importam no momento de decidir em qual rede de ensino matricular os filhos?. Revista Brasileira De Estudos De População, 35(1), 1-27. https://doi.org/10.20947/s102-3098a0066
Seção
Artigos originais