Censos nacionais e perspectivas políticas para as línguas brasileiras

Rosângela Morello

Resumo


Não disponível

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Câmara dos Deputados. Relatório do Grupo de Trabalho da Diversidade Linguística no Brasil/GTDL. Brasília/DF, 2007.

BRASIL. Presidência da República. Decreto n. 7.387, de 09 de dezembro de 2010. Institui o Inventário Nacional da Diversidade Linguística e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2015.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010 – Questionário básico. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2014.

MARAZZI, C. O lugar das meias: a virada linguística da economia e seus efeitos sobre a política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

MORELLO, E. J. Parecer jurídico: cooficialização da língua pomerana no Município de Santa Maria de Jetibá, ES. A linguagem como patrimônio cultural imaterial. Competência do Município para legislar sobre proteção a bens culturais. Elementos para maior eficácia da lei. In: MORELLO, R. Leis e línguas no Brasil: o processo de cooficialização e suas potencialidades. Florianópolis, SC: Ipol e Nova Letra, 2015.

MORELLO, R. (Org.). Leis e línguas no Brasil: o processo de cooficialização e suas potencialidades. Florianópolis, SC: Ipol e Nova Letra, 2015.

_________. Uma política pública e participativa para as línguas brasileiras: sobre a regulamentação e a implementação do Inventário Nacional da Diversidade Linguística (INDL). Gragoatá, Rio de Janeiro, n. 32, 2012.

_________. A política de cooficialização de línguas no Brasil. Platô: Revista Internacional do Instituto da Língua Portuguesa, n. 1, 2011.

OLIVEIRA, G. M. de. Os censos linguísticos e as políticas para as línguas no Brasil meridional. In: MORELLO, R.; MARTINS, M. F. (Org.). Observatório da educação na fronteira. Política linguística em contextos plurilíngues: desafios e perspectivas para a escola. Florianópolis: Ipol, Editora Garapuvu, 2014.

_________. (Org.) Declaração Universal dos Direitos Linguísticos. Campinas: Ipol, Mercado das Letras e ALB, 2003.

_________. Brasileiro fala português: monolinguismo e preconceito linguístico. In: SILVA, F. L. da; MOURA, H. M. (Org.). O direito à fala: a questão do patrimônio linguístico. Florianópolis: Insular, 2002.

OLIVEIRA, G. M. de; MORELLO, R. Uma política patrimonial e de registro para as línguas brasileiras. Patrimônio – Revista eletrônica do IPHAN, Campinas, n. 6, jan./fev. 2007. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2015.

RODRIGUES, A. D. Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Edições Loyola, 1986.

SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA. Lei nº. 145, de 11 de dezembro de 2002. Dispõe sobre a cooficialização das línguas Nheengatu, Tukano e Baniwa em São Gabriel da Cachoeira. 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.20947/S0102-30982016a0041

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Revista Brasileira de Estudos de População, ISSN 0102-3098 (Impresso) e ISSN 1980-5519 (on-line) 

E-mail: editora@rebep.org.br e secretaria@rebep.org.br 

Financiadores:

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia